Cinegrafia, Cotidiano, Lugares

Ano Novo Chinês + Rio, Eu te amo (filme)

Enquanto muitos ainda estavam pulando carnaval (os blocos de carnaval desfilaram aqui em São Paulo até o final de semana do dia 13/14 de Fevereiro), meu carnaval foi no Bloco do Macaco (com todo respeito!). Digo isso porque fui à festa do Ano Novo Chinês, que aconteceu no mesmo fim de semana, no bairro da Liberdade (bairro com tradições orientais e que recebe a festa todos os anos); e a festa estava absurdamente lotada, me fazendo lembrar imediatamente do bloco de Carnaval.

r320jh32j023h9

Deixando de lado a grande quantidade de pessoas, é uma festa muito interessante e super vale à pena de ver, pelo menos pra conhecer: a cultura oriental é riquíssima, cheia de simbolismos e histórias. Por lá, eu li e ouvi várias coisas (das quais não me lembro apenas alguns pontos) das quais não fazia ideia. Mais uma vez, percebi o quanto eu estava perdendo em deixar o Oriente “de lado”.

As celebrações deram início ao ano do Macaco; Isso significa que será um ano bom para começar coisas novas (negócios, por exemplo) e exercitar o lado criativo. Isso acontece porque o macaco é assim: curioso por natureza. Há diversas características pro ano (e pro signo) do macaco, mas estas foram as que mais me chamaram a atenção.

E falando em variedade, há um tempo eu ouvi falar de uma franquia de filmes chamada “Cities of Love”, criada por um francês chamado Emmanuel Benbihy. Cada filme reúne diferentes cineastas e artistas, de diferentes estilos e nacionalidades, para contar pequenas histórias, dentro de uma mesma cidade como pano de fundo.

Esta semana, eu assisti um pedaço do filme “Rio, eu te amo”. Quase todas as histórias existentes no pedaço de filme que assisti, me deixaram apaixonada: não só por se passarem no Rio, mas por serem histórias que poderiam ser vividas por qualquer brasileiro, tendo qualquer cidade como cenário. O Rio de Janeiro foi uma escolha ótima, por ser vista com aquele ar de Tom e Vinícius, mansa e com cara de que o amor existe em cada esquina, mesmo com toda a turbulência e discrepância social que existe no estado.

E foi pela simplicidade e pelo romantismo doce que a cena do garotinho esperando uma ligação de Jesus me encantou:

“Rio, eu te amo” foi lançado em 2014 e conta com os brasileiros Fernando Meirelles (Ensaio sobre a cegueira) e José Padilha (Tropa de Elite) na direção junto com vários gringos e artistas brasileiros como a querida Fernanda Montenegro, Rodrigo Santoro, Tonico Pereira, Wagner Moura (com um texto incrível, enquanto sobrevoa o Cristo Redentor), Marcelo Cerrado, etc etc etc.

Salvar

Salvar

Lugares

Leica Gallery São Paulo

59273957328789322

Ano passado eu tentei ver a exposição do Mário Testino, que estava no museu da Faap. O Google Maps me traiu, meu senso de direção é o pior possível e eu acabei me perdendo e perdendo a exposição, já que eu acabei desistindo de ir de novo. Este ano, eu descobri a galeria da Leica, inaugurada há quase dois meses. Esta galeria fica perto da Faap. Mas desta vez eu decidi que não ia perder a oportunidade. E agradeço à minha persistência.

Sábado passado estava um tempo horrível. Frio. Garoa. Sábado da preguiça, de ficar embaixo dos cobertores. E eu encarando tudo. Parece que eu sempre escolho os piores dias pra sair de casa.

A Leica Gallery SP fica na rua Maranhão, 60 (exatamente em frente ao Istituto Europeo di Design). O prédio é a coisa mais linda do mundo. Aqueles prédios antigos. Com uma fachada maravilhosa. Por dentro também é bem legal: tem um teto bem alto, três andares para exposição e também um contêiner (que eu achei o máximo!)

A exposição que está rolando agora é a do Andy Summers (sim, aquele do The Police) e é chamada Del Mondo. ELe fotografava durante as tours mundiais com a banda e depois sozinho. São 42 lindas fotos em preto e branco, outdoor e indoor. Pessoas e objetos. Experiências. A visão do guitarrista de algo ou alguém.

3285738927892

Enfim. Super vale a visita. Eu quero voltar, porque eu gosto de ver de perto e de longe. Gosto de ver duas vezes, para poder descobrir coisas que eu não vi da primeira. As minhas primeiras impressões estão registradas aqui.

Leica Gallery SP
Rua Maranhão, 600. Higienópolis – SP
Andy Summers – Del Mondo
Até 5 de Outubro de 2015
Terça a Sexta: 11:00-19:00
Sábados: 11:00-16:00

Cotidiano, Lugares

Da Vinci + Decoração de natal

0942428742921

Uma das tarefas do projeto “ficar sem trabalhar” é: encontrar a maior quantidade de coisas gratuitas pra se fazer. A exposição do Leonardo da Vinci está rolando no prédio do Fiesp, na Avenida Paulista (mais informações aqui). Quem fala que São Paulo não tem nada de graça, tá marcando bobeira (eu era uma destas pessoas).

 

535u9037593270523

3904724129712002

Eu não fazia ideia de metade das coisas que ele fez. O cara foi um gênio. As maquetes expostas não foram feitas por ele, mas baseadas nos desenhos que ele fez, indicando mecanismo de funcionamento, dimensões das coisas, etc. Desenhos de máquinas (de guerra, tecelagem), pessoas, animais, esqueletos, construções, etc etc etc. Eu não imaginava uma obra desse jeito. Nem só de Monalisa vivia Leonardo da Vinci. A exposição é bem interativa (algumas coisas podemos mexer, apertar botão, etc), mas exige um pouco de compreensão, paciência e bom senso, já que são várias pessoas querendo usar uma mesma máquina.

39293299032h203920

5490357947593279523 Como já falei da outra vez, foi dada a largada pra decoração de natal. Nessa época do ano (apesar de não ser minha preferida), a avenida Paulista fica mais singular que nunca. E o Banco Itaú, como sempre, deixando as pessoas encantadas com sua decoração. Acho que a decoração do Itaú sempre foi e sempre será a mais linda de todas as decorações.

399898398986723634593484798578345A região da Paulista também é interessante pois nunca se conhece tudo. Já passei pela rua Augusta milhões de vezes e sempre descubro algo novo. Desta vez, foi essa loja de chapéus (que devem custar os olhos da cara + um rim e um pulmão), num dos becos que têm por lá. O clima que rola nessa viela, parece de interior, pois em algumas das lojas não há ninguém (porque provavelmente a pessoa está conversando com o vizinho).

E pra finalizar, venho alimentando meu vício por café e mate com limão. Mate pra matar a sede, café pra terminar o passeio. Terminar o passeio com o pulso doendo menos (afinal, não estou usando a tala por ser tendência do verão 14/15, juro!). Me machuco e não faço ideia de onde foi.

Flavia.

x