Achados

Achados #2 – Curtas

E de repente, quando me dei conta, já tinha perdido duas horas no Youtube, só assistindo curtas. A maior parte deles foi porque procurei um por um, os curtas que foram exibidos em um festival dinamarquês que rolou no Centro Cultural Banco do Brasil, mas que por vários motivos não pude ir. Como são muitos os curtas que ando assistindo, vou colocando aos poucos os meus “achados”:

  1. Slimtime indicado como “sugestões” no Youtube. Uma gracinha! Sério!

2. Razão x Emoçãodito como animação que inspirou o indicado ao Oscar 2016 Divertidamente

 

3. Jinxy Jenkins, Lucky Loucurta francês, pra alegrar qualquer dia da semana.

Cinegrafia, Cotidiano, Lugares

Ano Novo Chinês + Rio, Eu te amo (filme)

Enquanto muitos ainda estavam pulando carnaval (os blocos de carnaval desfilaram aqui em São Paulo até o final de semana do dia 13/14 de Fevereiro), meu carnaval foi no Bloco do Macaco (com todo respeito!). Digo isso porque fui à festa do Ano Novo Chinês, que aconteceu no mesmo fim de semana, no bairro da Liberdade (bairro com tradições orientais e que recebe a festa todos os anos); e a festa estava absurdamente lotada, me fazendo lembrar imediatamente do bloco de Carnaval.

r320jh32j023h9

Deixando de lado a grande quantidade de pessoas, é uma festa muito interessante e super vale à pena de ver, pelo menos pra conhecer: a cultura oriental é riquíssima, cheia de simbolismos e histórias. Por lá, eu li e ouvi várias coisas (das quais não me lembro apenas alguns pontos) das quais não fazia ideia. Mais uma vez, percebi o quanto eu estava perdendo em deixar o Oriente “de lado”.

As celebrações deram início ao ano do Macaco; Isso significa que será um ano bom para começar coisas novas (negócios, por exemplo) e exercitar o lado criativo. Isso acontece porque o macaco é assim: curioso por natureza. Há diversas características pro ano (e pro signo) do macaco, mas estas foram as que mais me chamaram a atenção.

E falando em variedade, há um tempo eu ouvi falar de uma franquia de filmes chamada “Cities of Love”, criada por um francês chamado Emmanuel Benbihy. Cada filme reúne diferentes cineastas e artistas, de diferentes estilos e nacionalidades, para contar pequenas histórias, dentro de uma mesma cidade como pano de fundo.

Esta semana, eu assisti um pedaço do filme “Rio, eu te amo”. Quase todas as histórias existentes no pedaço de filme que assisti, me deixaram apaixonada: não só por se passarem no Rio, mas por serem histórias que poderiam ser vividas por qualquer brasileiro, tendo qualquer cidade como cenário. O Rio de Janeiro foi uma escolha ótima, por ser vista com aquele ar de Tom e Vinícius, mansa e com cara de que o amor existe em cada esquina, mesmo com toda a turbulência e discrepância social que existe no estado.

E foi pela simplicidade e pelo romantismo doce que a cena do garotinho esperando uma ligação de Jesus me encantou:

“Rio, eu te amo” foi lançado em 2014 e conta com os brasileiros Fernando Meirelles (Ensaio sobre a cegueira) e José Padilha (Tropa de Elite) na direção junto com vários gringos e artistas brasileiros como a querida Fernanda Montenegro, Rodrigo Santoro, Tonico Pereira, Wagner Moura (com um texto incrível, enquanto sobrevoa o Cristo Redentor), Marcelo Cerrado, etc etc etc.

Salvar

Salvar

Cinegrafia, Cotidiano

O menino e o mundo

A premiação mais aguardada do cinema está logo aí. E assim como no ano passado, ouvi alguns comentários descontentes referentes aos indicados para o Oscar (além das manifestações sobre ter ou não negros sendo indicados, boicotes à cerimônia, etc). Confesso que fiquei surpresa quando vi que havia um filme brasileiro entre os possíveis indicados (e a lista oficial nem havia sido divulgada). Também pensei que, com Inside Out na lista, um filme brasileiro não teria chance alguma. Alguns dias depois, lá estava ele: O menino e o mundo.

Um filme que até então nunca tinha se ouvido falar, estava sendo mencionado em todos os jornais. E eu fui atrás. E assisti.

O menino e o mundo é um filme que retrata a triste realidade com uma doçura sem tamanho. De forma singela e leve, com um traço simples, mistura de texturas e linguagens, mostra as aventuras de um menino que vai atrás do seu pai, que mudou-se para a cidade grande, em busca de uma vida melhor. Aventuras vividas por muitos brasileirinhos e brasileirinhas, crescidos ou não.

A trilha sonora dá a cadência que me fez viajar junto com o menino. É genuinamente brasileiro. Traz cenas vividas por muitos de nós, que às vezes esquecemos (ou preferimos esquecer). É a realidade vista aos olhos de uma criança.

Inside Out também é ótimo. É divertido. Engraçado. Colorido. 3d. Cheio de coisas. Este prêmio já é da Disney. Mas sem nacionalismo, só a opinião sincera, de um coração emocionado: minha torcida é para O Menino e o Mundo.

Música

Playlist de Setembro – Trilha Sonora

Assim como meu gosto por música não segue nenhuma lógica, meu gosto por filmes não poderia ser diferente. Por isso que nesta playlist tem Piratas do Caribe junto com Breakfast at Tiffany’s. But love will find you in the end (o amor vai te encontrar no final), já que a lista tá maneirassa (pelo menos pra mim).

O código do Spotify dá problema pra colocar a lista direto aqui, então a playlist pode ser encontrada aqui ou logo ali no final do post.

Ação!